Recanto do Cantinho da Saudade
A poesia e as vozes cavas dos meus eus nefelibatas!!!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos

CIÚME E SOLIDÃO...

 

Nunca saberei o que fizeram em seguida. Não tive coragem para continuar espreitando. O ciúme que me corroía era muito maior que o desejo de certificar-me pessoalmente sobre os boatos que há algum tempo circulavam à boca pequena. E, por isso, para que a ciumeira não me levasse a cometer um desatino, resolvi declinar, largar de mão, recuar. Mas vocês estavam lá, no cais do porto, na orla da cidade, um ao lado do outro, de mãos dadas, olhando para a amplidão do céu. A lua assomava por sobre a copa das árvores, do outro lado da baía, quase escondida pelas nuvens, refletindo-se exuberante, nas águas que eram levamente acariciadas pelo vento. Foi aí que resolvi voltar para casa, inclausurado em minha própria concha, entregue completamente à solidão.

 

Cachoeira do Arari, Pará, Brasil, 10 de junho de 2011.
Composto por Manoel da Silva Botelho.
◄ Início | Próximo Miniconto ►

Jaime Adilton Marques de Araújo
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 26/11/2021
Alterado em 13/12/2021
Comentários

Jadilton Marques
 

Minha foto
Ver tamanho ampliado

Entre em contato comigo
E-mail: jaimeadilton@gmail.com

Minhas páginas da Web:

 

Sobre mim

Gênero: Masculino
Atividade: Pregoeiro
Profissão: Contador
Local: Melgaço, Ilha de Marajó, Pará, Brasil
Links: Áudio
Introdução:

TABACARIA

Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. [...] Fiz de mim o que não soube E o que podia fazer de mim não o fiz. O dominó que vesti era errado. Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me. Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha envelhecido. Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado. Deitei fora a máscara e dormi no vestiário Como um cão tolerado pela gerência Por ser inofensivo E vou escrever esta história para provar que sou sublime. [...]


Álvaro de Campos

Interesses:

Música, Poesia, Brasilidade, Literatura, e tudo o mais que há de bom na vida.

Filmes favoritos:


Um Amor Para Recordar, O Leitor, O 13º Andar, A Trilogia Matrix, A Trilogia Deixados Para Trás, entre outros.

Músicas favoritas:


Pedaço de Mim, Tinha Que Acontecer, Rainha da Vida, Tocando em Frente, Chão de Giz, Todas as do Vinícius de Moraes, entre outras tantas.

Livros favoritos:


A saga: O Vendedor de Sonhos, Dom Casmurro, Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Carne, Amor de Perdição, A Moreninha, A Barca dos Amantes, Os Lusíadas, O Jogo da Detetive, O Pequeno Príncipe, entre tantos outros.