Recanto do Cantinho da Saudade
A poesia e as vozes cavas dos meus eus nefelibatas!!!
Capa Meu Diário Textos Áudios E-books Fotos Perfil Livros à Venda Prêmios Livro de Visitas Contato Links
Textos
Jayme Lorenzini García, O Trovador

Sou Jayme Lorenzini García. Nasci no dia 07 de janeiro de 1962, no município de Afuá, Ilha de Marajó, Estado do Pará, Brasil. Desde cedo propenso ao conhecimento, tornei-me o mais jovem advogado a se formar na Ilha de Marajó, com apenas 18 anos de idade, pela UFPA. Sou especialista em Criminalística e presto serviços de advocacia e consultoria nesta área. 

Sou um dos heterônimos de Jaime Adilton Marques de Araújo e surgi para atender a uma necessidade sua de bebericar da Fonte de Hipocrene, nas nascentes do Trovadorismo, resgatando os aspectos mais relevantes dos primórdios de nossa poesia! 
 
A Obra 

Minha obra está intimamente ligada ao resgate da temática e das técnicas trovadorescas na composição de novas cantigas de amor e de amigo, de escárnio e maldizer, resgatando, com saudosismo, os aspectos mais relevantes dessa importante escola literária!

Outrossim, para além da temática trovadoresca, cultivo poemas de forma fixa (aldravia, balada, canto real, gazal, haicai, rondel, soneto, virelai, etc), cuja estética não está presa a nenhum estilo literário.
 
◄ Início | Adamir Freire ►
Jayme Lorenzini García
Enviado por Jaime Adilton Marques de Araújo em 11/06/2020
Alterado em 17/09/2021
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários

Jadilton Marques
 

Minha foto
Ver tamanho ampliado

Entre em contato comigo
E-mail: jaimeadilton@gmail.com

Minhas páginas da Web:

 

Sobre mim

Gênero: Masculino
Atividade: Pregoeiro
Profissão: Contador
Local: Melgaço, Ilha de Marajó, Pará, Brasil
Links: Áudio
Introdução:

TABACARIA

Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo. [...] Fiz de mim o que não soube E o que podia fazer de mim não o fiz. O dominó que vesti era errado. Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me. Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, Já tinha envelhecido. Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado. Deitei fora a máscara e dormi no vestiário Como um cão tolerado pela gerência Por ser inofensivo E vou escrever esta história para provar que sou sublime. [...]


Álvaro de Campos

Interesses:

Música, Poesia, Brasilidade, Literatura, e tudo o mais que há de bom na vida.

Filmes favoritos:


Um Amor Para Recordar, O Leitor, O 13º Andar, A Trilogia Matrix, A Trilogia Deixados Para Trás, entre outros.

Músicas favoritas:


Pedaço de Mim, Tinha Que Acontecer, Rainha da Vida, Tocando em Frente, Chão de Giz, Todas as do Vinícius de Moraes, entre outras tantas.

Livros favoritos:


A saga: O Vendedor de Sonhos, Dom Casmurro, Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Carne, Amor de Perdição, A Moreninha, A Barca dos Amantes, Os Lusíadas, O Jogo da Detetive, O Pequeno Príncipe, entre tantos outros.