gravatar



Deu a louca no universo
Só há jardins sem rosa
E esta infante lua cheia
Ainda está gibosa!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO AO PR. JOÃO



Jubilosos, os Céus recebem com emoção
O seu mais novo integrante do coral -
Anjo tornado por sua partida terreal -
O amado homem de Deus, Pr. João!

Corações estilhaçados como cristal
Obumbrados pela lágrima da aflição
Esquecer não podem a dura separação
Levada a termo por uma dor descomunal!

Hoje, muitas recordações, muita saudade...
Ontem, um gesto de última despedida
Ficando, na alma, a meiga luz desse olhar

Inesquecível a transmitir serenidade,
Lições de fé, de paz e amor, lições de vida...
Hoje rogamos a Deus que possa consolar
Os olhos que tão grande perda vêm chorar!
Leia Mais ››


gravatar

MOTETO DO AMOR QUE NÃO TEM JEITO



Se o amor que trago cá no peito
Pudesse ser expresso livremente
Eu te daria uma flor (amor-perfeito!)
Que brotou no meu jardim recentemente
E espalhou seu perfume efervescente
             De repente
Na saudade desse amor que não tem jeito!
Leia Mais ››


gravatar

PENSAMENTO EM SÍNCOPE



É preciso não pensar em certas cousas:
Em certo olhar castanho de ternura;
Em certos lábios onde o amor repousa;
Em certas mãos macias de candura!...

É preciso encerrar-se na clausura
Do vítreo mármore fiel da fria lousa...
É preciso não pensar em certas cousas:
Em certo olhar castanho de ternura!

No entanto, o pensamento vai e pousa
Na amada ausente (sorriso e formosura)
E nesse afã, o pensamento inútil ousa
Eternizar o fim sem fim dessa tortura...
É preciso não pensar em certas cousas!
Leia Mais ››


gravatar

PRISÃO FORMAL



Eu quis enlarguecer meu sentimento:
Quis expressá-lo em odes colossais,
Em pantuns, baladas, cantos reais
Ou mesmo em vilancetes! Meu tormento

Foi perceber que as formas poemais
Nem sempre à luz exata do momento
Traduzem o que vai no pensamento
- Palavras de belezas surreais!

E o experimento prossegui em vão:
Dar forma e dar asas à canção
Que minh'alma decantou num poemeto...

Foi difícil viver essa aventura
Mas, por fim, eu domei minha ternura
Na laje pré-moldada do soneto!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA HUMILDADE


SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!


É preciso manter os pés no chão
E palmilhar a estrada sem desânimo,
E o peito abrir tão magnânimo,
Destacando a paz do coração!

É preciso não deixar faltar o ânimo
Que é o responsável maior da emoção
De, aos limites, mostrar superação
De um modo muito único, longânimo!

Estarei, em meio a poucos sobressaltos,
Pronta a ajudá-lo a descer do salto alto
E a chegar mais perto da realidade.

Alicerce de todas as virtudes
Sou a base do viver em plenitude
Muito prazer! Meu nome é Humildade!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA CARIDADE


SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!


Meu coração transborda de ternura,
De bondade, perdão, benevolência,
Que pratico no irmão a indulgência
De um erro cometido, porventura!

Se vejo uma injustiça, sou clemência
Que estabelece a justiça que perdura;
Sinto a alma mais leve e mais pura
Quando meu ser é todo complacência!

Quem me quiser acompanhar no mundo
Verá que o sentimento mais profundo
E o mais fértil da Humanidade

Sou eu - fruto  que brota do amor sublime -
Que no ato do perdão tudo redime.
Prazer em conhecer! Sou Caridade!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA PACIÊNCIA


SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!

Para quê uma carranca no semblante
Se posso estampar serenidade,
Se aquilo que me traz felicidade
É compreender e amar meu semelhante?!

É preciso manter a suavidade
Seja, embora, o momento estressante...
Sou a virtude que te torna elegante
Quando tudo é só perplexidade!

Quem me conhece é gente muito boa
Possuir-me não é pra qualquer pessoa
É preciso que se tenha prudência.

Quem tem a mim tem paz no coração
Sou o oposto do que chamam depressão...
Sou longânime! Meu nome é Paciência!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA DILIGÊNCIA


SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!



Não me apetece nem um pouco a inércia
De quem não quer saber de labutar
Dizendo não ter forças pra lutar
Contra a vil infâmia da solércia;

Pois só prospera quem quer trabalhar
E não aquele que vive só de mércia...
(Quem busca a Providência pela tércia
Terá sempre uma luz a lhe guiar!)

E é preciso agir com maestria
E a tarefa executar do dia
Com muita honradez e competência

Pra que não chegue a sombra da pobreza...
Sou a virtude que te dá destreza
Com prazer, eu me chamo Diligência!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA TEMPERANÇA


SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!


Nem mais, nem menos: na medida certa.
Lema perfeito de quem tem juízo.
Reter para si só o que for preciso
Faz a mente manter-se sempre alerta.

Quem anda comigo jamais é indeciso:
Sabe discernir a má da boa oferta.
Bem protegido, não deixa entreaberta
A porta ao descontrole incircunciso.

Sem exageros, sigo vigilante,
De forma comedida, sem rompante,
Me abstendo da inútil comilança.

Vou mantendo de meu corpo a saúde
Entre cuidados que me bastam, amiúde.
Muito prazer! Eu sou a Temperança!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA GENEROSIDADE


SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!


Sou feliz em poder compartilhar
Meus sonhos, minha vida, minhas posses.
Antes que as horas passem tão veloces
Quero poder meu próximo ajudar.

Nada é meu: meu vigor ou minhas tosses,
Tudo, enfim, é só um sopro de ar
Que pode, de repente, se findar
Em fluídicas abstrações precoces!

Por isso ver um sorriso estampado
No rosto de quem era desprezado
Pela humana e injusta sociedade

É, para mim, o mais sublime bem
Que vou fazendo sem olhar a quem...
Prazer! Me chamo Generosidade!
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA CASTIDADE

SÉRIE: SETE SONETOS, SETE VIRTUDES!


Das virtudes cristãs sou a primeira.
Baluarte do bom senso e da moral
No leito imaculado do casal
Estou, que se ama a vida inteira!...

Dos sagrados preceitos meu fanal
É guardar a luz pura e verdadeira;
Controlar toda paixão alvissareira
Que me possa desviar do ideal

(Sublime emanação da natureza)
De manter-me em estado de pureza
Neste mundo de sensualidade!

Quem me busca purifica a sua alma
E a enche de amor, ternura e calma...
Deixe que me apresente: Castidade!

by Haroldo Viena de Brito
Leia Mais ››


Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Horário de Brasília

Visitantes

Free counters!

Amigos On Line

Outras Saudades...