gravatar

O ELEITOR EM CONSTRUÇÃO



 
...Uma esperança sincera
Cresceu no seu coração
E dentro da tarde mansa
Agigantou-se a razão
De um homem pobre e esquecido
Razão, porém, que fizera
Em operário construído
O operário em construção.

(O Operário em construção - Vinícius de Moraes)

Era ele que como um vício
Sempre em época de eleição
Ia às urnas com sacrifício
Para eleger o patrício
Que seria seu patrão.
No entanto, não sabia
O que tinha em sua mão:
Não fazia nem ideia
Que um voto na assembleia
Muda os rumos da questão
Nem tampouco ele sabia
Que o eleito lhe negaria
Seu direito à liberdade
De ter voz e expressão.

Em verdade, como podia
Um eleitor em construção
Compreender porque seu voto
Valia mais do que um pão?
Nas eleições ele votava:
Vereador e prefeito escolhia
Quanto ao pão, ele o comia.
Mas fosse comer seu voto!
No entanto, o eleitor ia
Às urnas, faceiro e pacato,
Dar um voto de confiança
Ao pilantra candidato

Que o esqueceria de pronto
Tão logo passasse a eleição
Considerando ralé e bronco
O eleitor em construção.
De fato o eleitor não sabia
Da dimensão de sua bisarma
Não sabia que tem no voto
Sua mais perfeita arma.
De modo que, certo dia,
(Era época de eleição!)
O eleitor foi tomado
De tão súbita emoção
Ao perceber maravilhado
Que tudo na sociedade
- Água, esgoto, lixão...
Do seu voto dependia
Ele, um singelo eleitor,
Um eleitor em construção.
Olhou em torno: o hospital,
Trabalho, transporte, iluminação,
Pública,  assistência social,
Lazer, saúde, educação!
Tudo - que precariamente existia -
Do seu voto dependia
Ele, um simples eleitor
Que, no entanto, não sabia
O poder da profissão.

Ah, filósofos de estante
Nunca sabereis o quanto
Aquele singelo eleitor
Soube naquele instante
Naquela sociedade fria
Da qual ele participava
Um novo mundo se erguia
De que sequer suspeitava.
O eleitor extasiado
Com carinho olhou sua mão
Sua rude mão de eleitor
De eleitor em construção
E olhando-a de frente
De relance teve a impressão
De que das coisas do mundo
Era ela a mais potente.

E dentro da compreensão
Desse instante indolor
Tal qual sua construção
Cresceu também o eleitor
Cresceu em todos os sentidos
Alto, largo e profundo – no coração.
E como tudo o que cresce
Ele não cresceu em vão
Aprendeu naquele dia
O poder da profissão
E, de quebra, aprendeu, ainda,
Outra nova dimensão:
A dimensão da poesia!

E como rastilho de pólvora
A nova se espalhou
O que o eleitor dizia
Outro eleitor escutou.
E foi assim que ele,
O eleitor em construção
Que sempre dizia ‘sim’
Passou a dizer ‘não’
E aprendeu a ver as coisas
Com mais cautela e atenção:
Notou que sua carne de 2ª
Era o filé mignon do patrão
Que seu contracheque magro
Era a conta gorda do patrão
Que seu uniforme ridículo
Era o terno do patrão
Que sua casa-quase-caindo
Era a mansão do patrão
Que sua velha bicicleta
Era a limusine do patrão
Que seu trabalho cumprido
Era a preguiça do patrão
Que sua fadiga estafante
Era amiga do patrão.

E o eleitor disse: Não!
E o eleitor se manteve forte
Em sua resolução.

Como já deveis imaginar
Os puxa-sacos de plantão
Começaram a buzinar
Nos ouvidos do patrão
Mas o patrão assim dizia:
“Não quero preocupação!
Convençam-no, por favor.”
Ele falava sobre o eleitor
E ao falar isto sorria.

Dia seguinte o eleitor
Que passou a dizer ‘não’
De súbito foi cercado
Dos puxa-sacos de plantão
E sofreu – predestinado -
Sua primeira agressão.
Cuspiram-lhe o rosto sofrido,
Seu corpo foi machucado
Mas ao ser interrogado
O eleitor disse: ‘Não!’

Em vão sofrera o eleitor
Sua primeira agressão
É certo que outras seguiram
E muitas outras seguirão.
Porém, sua consciência
De eleitor em construção
Mais e mais se expandia
E seu triste sofrimento
Era o dimensionamento
Da alma que então crescia.

Percebendo que a violência
Não dobraria o eleitor
Certo dia o seu patrão
Outra tática usou
E em se aproximando
O grande dia da eleição
Nos jingles das propagandas
As benesses da administração
Mostrou ao caro eleitor
Com esta declaração:
- Dar-te-ei todo este poder
De bandeja em tua mão
Pois a mim me foi entregue
Então o dou a quem quiser.
Terás boa-vida: lazer,
Muita farra e mulher
Portanto, tudo o que vês
Será teu se te aliares
A mim e abandonares
Esta besteira de dizer não.

Dizendo fitava o eleitor
Que - olhar distante -  refletia,
Mas o que via o eleitor
O patrão jamais veria.
O eleitor via a saúde
Na UTI dos hospitais
A clamar por dignidade,
Por respeito e muito mais.
Via as verbas desviadas
Para o bolso do patrão
E em tudo aquilo que via
Misteriosamente havia
As marcas de sua mão.
E o eleitor disse: Não!

- Loucura! – xingou o patrão
Não avalias o que te dou eu?
- Mentira! – disse o eleitor
Não podes dar-me o que é meu!

E uma consciência nasce
Dentro do seu coração
Uma consciência política
De parceria e união
Uma consciência cheia
De respeito ao cidadão
Uma consciência firme
Pra vencer a solidão
Uma consciência digna
De arraigar a maldição
Uma consciência honesta
Pra encontrar  a solução.
E o eleitor ouviu a voz
Dos eleitores, seus irmãos;
Daqueles que já morreram
Por outros que viverão
E então se agigantou
No poema e na canção
E, no grande dia, nas urnas,
Selou a sua decisão
De singelo eleitor esquecido
Decisão, porém, que fizera
Em eleitor construído
O eleitor em construção!

by Léo Frederico de Las Vegas

Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Horário de Brasília

Visitantes

Free counters!

Amigos On Line

Outras Saudades...