gravatar

PARA VOCÊ, MARTINHA!


Muito tempo faz que eu te amo
Antes mesmo que a vida
Reconstituísse nossos corações machucados…
Teu sorriso invadiu o meu olhar
Amei-te mesmo sem chances de ser correspondido!

Marcaste como ninguém a minha vida!
O que me deste? O elixir da poesia!
Rio, às vezes, para o nada, minha querida,
Ao lembrar que és a fonte minha de alegria!
Eu quisera dormir nos teus braços
Ser tua cara-metade… Envolver-te num abraço…

Guardo na lembrança nosso primeiro beijo
Até parece que foi ontem… Estava tímido…
Respirei agonizante… Ia morrer...
Certo foi teu auxílio, minha salvação foi você!
Infinito, o nosso amor venceu o tempo!
Agora somos um coração a voar com o vento…

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

MINHA POESIA É PRA DEPOIS...


Sou um ser
Alegremente triste
Essencialmente comprometido
Com um Reinado
De Justiça e Paz
Entre os homens...
Sou proclamador
Da futura existência
De um mundo melhor
Quando a felicidade
Fará sua morada
No coração humano
E a rosa desabrochará
Mais perfumada,
Menos radioativa!...
Acredito num Messias
Que salvará o mundo:
Jesus Cristo,
O Cordeiro de Deus!

Sou fã
Da Felicidade
Minha poesia é pra depois!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

AS OBRAS DE DEUS


As brancas nuvens que vão passando,
As andorinhas que estão voando,
A brisa leve que está soprando,
Os peixinhos que estão a nadar...
As singelas flores desabrochando,
Os raios solares nos iluminando
E as estrelinhas sempre brilhando
São obras vivas de Deus Jeová!

Quando contemplo as verdes matas
Onde o poder de Deus se retrata,
Bem como as belíssimas cascatas
Que perfeitas obras de suas mãos
A minh'alma profundamente grata
Ante essas maravilhas natas
Louva com prazer em serenata
As obras de Deus - A Criação!

As ondas sonoras do mar, o vento
E a etérea amplidão do firmamento
Enchem-me de gozo, de alento
E eu louvo ao grande Deus Jeová!
Ele é sublime, maior que o pensamento,
Santos são os seus intentos
Por seu querer fez-se o relento,
Os Céus, a Terra e o imenso Mar...

Louvo o poder de Deus com alegria
Nos suaves versos da minha poesia
Pois Ele deu o equilíbrio, a harmonia
Que há em toda a bela Natureza.
Às madrugadas, ao clarear do dia
Ouvindo o cantar da cotovia
Sinto sua doce e bela melodia
Encher-me de paz, delicadeza!...

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

PARA A MINHA QUERIDA MÃE...


Raia, enfim, o dia mais feliz do ano
A saúdar tua chegada prazenteira
Inspirando a harmonia dos arcanos
Musicais dos poetas de algibeira...
Um poema que me fosse o minuano
Novamente a trazer-te mui faceira
Daria a vida a compô-lo, suserano,
Alegria comovente, verdadeira!!!

Mãe querida, teu poeta necessita
A palavra necessária encontrar,
Raro diamante, valiosa pepita
Que te possa pela vida exaltar;
Uma palavra que fosse o resumo
Exato do que te quero ofertar
Sentimento de amor e o sumo

Da vida que um dia passaste
Entre o berço os afazeres do lar

A mim, mais que a vida, me deste
Respeitosamente tuas cãs prematuras
Amor maior? Duvido! Firulas!!!
Único é o teu amor que me dispensaste
Juntamente aos meus 5 irmãos!
O teu dia é hoje! Estás no berço... e em meu coração!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

SIMPLESMENTE... POESIA!


                               À Marta Garcia de Araújo

Trigésima sétima primavera
E o sorriso da poesia em teus lábios...
Ah! Teu amor, quem me dera
Impregnando meus poemas,
Todos teus, sabe-os!
Como o sol do meio dia
Entraste radiante em minha vida
Trazendo-me amor, paz, alegria,
Querida! Minha querida!
Trinta e sete páginas multicores
Do livro de tua existência
A romancear idílios, amores:
A poesia em vida e essência.
Se soubesses, flor de minh'alma,
O quanto representas para mim!...
Nem do mar a mais doce calma,
Dos céus as estrelas
Não se assemelham a ti!
Não foi dos pássaros o canto
Que ouviste ao amanhecer
Nem a voz das águas na fonte
Que te fizeram estremecer...
Mas o poema que me vai na alma
Quis saltar mesmo num rude verso
E acalentar-te com serena calma
Pois que dormes, pequenina, no berço!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

A NECESSÁRIA LUA NOVA!



É preciso que se olhe o horizonte
Num calmo fim-de-tarde estival
E que se erga - cisne branco - ao céu a fronte
Da paz no lusco-fusco vesperal!

É preciso captar o som da fonte
Do regato que vai ao pequeno val
E elevando o olhar além do monte
Ouvir das aves o canto surreal!

É preciso de tom róseo o crespúsculo
Pintar e da natureza o opúsculo
Absorver, pois que a vida se renova...

Tudo isto é preciso apreender
E às alturas o espírito ascender
Para saúdar, com emoção, a Lua Nova!

by Jayme Lorenzini García
Leia Mais ››


gravatar

O AMOR MAIOR DA HUMANA CRIATURA


Declamando a canção dos argonautas
Que suicídio cometeram por amor
Vou navegando pela noite de teu corpo
Na confluência de prazeres e calor!

Meu rosto mergulhado em tuas flautas
- Tua libido, tua volúpia, teu sabor -
Dedilha o verso de um poeta morto
Que sem reservas para ti se entregou!

A noite me envolve com seu manto
- Teus cabelos cacheados - e eu quero
A inaudível paz desse meu canto

Para que eu possa redimir tua ternura
E te entregar sem ilusão, sem desespero,
O amor maior da humana criatura!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

INDRISO DA NOITE VELOZ


A noite desceu por teus cabelos
E aninhou-se, felina, em meu colo,
Iluminando-me com o teu sorriso!

E eu fiquei ouvindo teus apelos
De volúpia contida sem consolo
Na aridez que permeia o Paraíso!

E eu fiquei náufrago e sem pejo

Sonhando com o mel de teu desejo!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

DE EVA A BEATRIZ SOU MULHER, SOU FELIZ!

    
Paráfrase de um anônimo

No começo das eras eu fui Eva
Esculpida para o deleite de Adão...
Entretanto, meu paraíso tornou-se treva
Porque um dia ousei libertação!

Tempos depois eu fui Maria, a Serva,
A Mãe de Quem traria a salvação.
No entanto - meu estigma se conserva -
Não pude conquistar o meu perdão.

Fui também Joana D'arc, Ângela, Amélia...
E tantas outras mais... E já cansada de sofrer
Por meus ideais eu fui Cordélia!

Hoje sou Ana, sou Dilma! atuo onde quiser...
De Calcutá sou Tereza e sou a Dama das Camélias:
Mas... desde o princípio eu sempre fui Mulher!

by Yara Cínthya Marcondes da Silveira
Leia Mais ››


gravatar

EM MEU BRAÇOS...



Em meus braços eu a tive, pequenina,
Inebriada, cega, tonta de paixão
E sob a luz desse olhar que me fascina
Confiei-lhe a chave do meu coração!

by Olímpio José de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

FLORESCENDO ÀS MARGENS DOS MARAJÓS



Melgaço, amiga, minha grande pequena notável,
Tu és mais que um sonho de uma noite de verão;
És um misto de ternuras, carícias, amável!

Ah! Quem me dera beijar-te os lábios,
Sem ressábios,
Entreabertos com sofreguidão!

Melgaço, indelevelmente amiga,
Tu és mais que a Turquesa do Pará,
Mais que o Refúgio dos Pássaros
Mais que o Ponto em Seguida da Beleza,
És com certeza
De meu carinho, mendiga,
E o meu céu, e o meu tártaro,
E a mais fulgente estrela que já vi brilhar!

Sim, tu és mais que um sonho de verão,
És ternura íntima, doçura íntima
E íntimo transbordamento de carícias!
E ainda que ínfima,
És sempre delícia!

És um misto de volúpia, desejo e tesão!
Quem me dera beijar-te os olhos
E acariciar-te os cabelos
Entre minhas mãos impuras, maculadas, feridas
De teu solo entreaberto ao gozo dos poetas!

Que vontade louca de ninar-te ao som
De um doce acalanto!

Inebriado de teu mel sagrado
Meu coração bate por ti
Em algum lugar, movido
A toda paixão
Meu coração em ritmo altivo
De cadências bíblicas
Bate, descompassadamente, por ti!
Porque és feita de luz, de sol, de mar, de amor!

Tua estonteante candura me extasia
E o teu mel transborda nestes versos que componho...

Tu és pequenina, é verdade,
Mas, és meu orgulho e minha alegria
E eu te amo muito além do prazer,
E muito além do sonho!

Foi preciso que um filho teu querido
Deixasse tuas paisagens e se privasse do teu céu
Para reconstituir-te em sonhos repartidos
Prenhes de tua doçura, de teu mel...
Foi preciso que assim nos sentíssimos sós
Para te vermos florescendo
Paulatinamente
Às margens dos marajós!

Ah, quem me dera, sereia morena,
Ao som do mais doce acalanto
Dar-te a conhecer ao mundo, pequena,
Na cadência impossível desse canto!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

SE NO MUNDO NÃO FOSSE VOCÊ...



Dizer que o dia amanheceu em festa
E que as nuvens brejeiras estão;
Que os pássaros por toda a floresta
Entoam sua mais linda canção;

Que a vida é a melhor dádiva
Que recebemos de Deus tão-somente
E que é bela uma donzela grávida
Pela vida que traz em semente;

Que os murmúrios do mar são os versos
De um louco poeta cujo universo
A mais linda poesia pudesse conter...

Causaria a mim muita pena
Toda essa beleza, morena,
Se no mundo não fora você!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

QUIETUDE




Pode a noite, sombria, encapelar-se,
E em ondas destroçar minha alegria.
Sorridente seguirei! Ela não pode
Impedir o raiar de um novo dia!

by Jayme Lorenzini García
Leia Mais ››


gravatar

PEDE-ME... E DAR-TE-EI O PARAÍSO!


É só pedir-me! Estou aqui para levar-te
Por entre a brisa das manhãs serenas;
Por entre lírios e rosas e açucenas,
Enfim, te levarei por toda a parte!

Se me pedires dar-te-ei luas de Marte:
Deimos e Fobos - pânico e medo apenas
De que fujas em busca das obscenas
Carícias de algum Pedro Malazarte!-

É só pedir-me! E dar-te-ei o mundo
E ao verde esmeraldino de teu riso
A certeza de meu amor profundo!

Dar-te-ei, meu bem, o que te for preciso
E de te amar não deixarei um só segundo...
É só pedir-me... E dar-te-ei o Paraíso!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

EGOÍSMO


Não posso ver o mundo por teus olhos
Sem castrar minha personalidade
Meu jeito simples de poeta bêbado!

Por isso és atol e eu - abrolhos
És remoinho e eu - serenidade
Teu andar é reto e o meu - trôpego!

Mas não abro mão de meu tesouro:

Ser aquilo que sou e sem desdouro!

by Jayme Lorenzini García
Leia Mais ››


gravatar

AO POETA QUE EU VI CHORAR


Eu o vi chorando hoje, simplesmente.
Lágrimas cálidas a escorrer da face
Como se um grande pesar o torturasse;
O fato é que chorou, ver-da-dei-ra-men-te!

- Que está acontecendo? Por que desenlace
Estás passando? Deixa eu ser teu confidente! -
Mas ele a sorrir e com um ar contente
Enxuga o rosto e dissolve-se o impasse!

Depois me diz assim: É a presença dela!
Sinto-lhe o cheio pútrido no nariz
A roubar de meu olhar a aquarela

Que a vida me pintou de azul e gris...
Sim, é a Indesejada, é a Cadela,
Que me ronda toda vez que estou feliz!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DE FELICIDADE E DOR




Minha poesia, veloz, corre o mundo:
Albatroz sobrevoando os oceanos
Ou carcará ceifando os desenganos
Exalados do peito rubicundo!...

Corre veloz tal qual correm os anos
Esparzindo nos seres o profundo
Desejo de existir e o fecundo
Mistério da beleza e seus arcanos!

Quando penso que alguém está sorrindo
Ao ler os versos que escrevi chorando
Sinto-me, pois, da dor recompensado.

Voa, albatroz, e leva ao mundo infindo
O que andou meu peito soluçando:
A grande dor de amar sem ser amado!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

LOBO SOLITÁRIO


Como um lobo solitário
Um cão uivando ao luar
Caminho absorto pela cidade
Em busca de um amor para amar!...

Em meio a essa solidão noturna
Fico sonhando o teu perfil:
Mais branca que a branca lua
Singela flor de fino hastil!

Como eu te amo, ó misteriosa
Indecifrável e encantadora mulher,
Ser escultural, Madonna graciosa!

Como é bela essa ilusão
Que anula minha vasta solidão
E me traz um sonho de Mulher!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DO TALVEZ POSSÍVEL...


Talvez a infância me devolvesse a vida
E suas peripécias fantásticas, e um sonho
De viver intensamente o que componho
De construir-te um mundo próprio, Margarida!

Talvez não fosse meu ser assim tristonho
E minha face não fosse assim tão abatida;
Talvez na alma não houvesse essa ferida
Entreaberta com um aspecto medonho.

Talvez a morte não me habitasse as veias,
Talvez da aranha não me envolvessem as teias,
Talvez meu ser não fosse apenas destruição...

Se tão-só com o teu brilho iridescente
Fosses a minha Amada, lúcida e resplendente,
E me entregasses a chave do teu coração!

by Adilton Marques
Leia Mais ››


gravatar

GARDÊNIA


Voltaram primaveras ao meu coração
Violando o silêncio da ausência
Do amor que despertou com inocência
Cantarolando as notas da canção

Que exala teu perfume, tua essência,
Teu cheiro bom de jasmim em floração
Ó flor tão forte que a chuvosa estação
Por não vencer-te te rende obediência!

Tão linda, de flores brancas e perfumadas,
Venho trazer-te a minha vida inebriada,
Inda que a morte me ronde com suas nênias

Sou o ser mais feliz da natureza
Pois pela vida levarei esta certeza:
Só tu exalas o perfume das gardênias!

by Itamar de Vasconcelos R. Jr & Jayme Lorenzini García
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DE AMOR E LUA CHEIA




Fica comigo, amor, que a lua cheia
Saiu à rua, à espreita, a molestar-me;
Com sua brancura e esbanjando charme
Não vês que ela me envolve e me enleia?!

Fica comigo, amor, já se incendeia
Da paixão o fogo que quer devorar-me;
Traz-me a brancura de teu corpo e o carme
De teus mamilos febris pra minha ceia!

Fica comigo, amor, pois és mais bela
Que a mais bela das belas mulheres
Que já passaram pela minha vida!

Fica comigo nessa doce aquarela
Pois entre todas que amei (é bom saberes)
Foste a única que eu chamei: Querida!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

PERIGO E DESEJO


Em fúria destilando sua libido
Ela sai da caverna rumo à caça
Espalhando tesão por onde passa
Clandestina, exalando seu gemido

Qual vinho que transborda pela taça
Sua volúpia e o desejo escondido
De trazer aos seus pés bem seduzido
O coração de quem feriu - desgraça!

E ela segue assim - subversiva -
Arrastando, poderosa, após si
Multidões de coitados, com presteza!

E com a sua beleza rediviva
Hípnotiza-me, enleia-me - ai de mim! -
Que sou o lauto jantar dessa tigresa!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

LEIGO MISSIONÁRIO



Levar a mensagem de amor
Eis a mais nobre missão:
Indicando ao vil pecador a
Grata nova da salvação,
O Cristo Crucificado, nossa redenção!

Missionário, eis a ordem de Cristo:
Ide ao mundo o Evangelho pregar!
Sem tardança, cumpre logo isto,
Semeando o sentido de amar
Indicando às almas feridas
O bálsamo da vida que as pode sarar:
Nosso Deus que nos deu sua vida
Amando-nos de uma forma singular
Reunindo Deus e Homem na cruz do Calvário
Isto é o que deves tu, leigo missionário,
Ontem, hoje e sempre ao mundo anunciar.

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

CARLOS GOMES: SAUDADES


Esse mundo de tristeza atônito
Pôs-se um dia a cantar
"Colombo" poema sinfônico
De um maestro singular(!)
Que através de seu nobre talento
Muita gente conquistou
Esse compositor amado
Há de ser sempre lembrado
como carinho e amor:

Carlos Gomes,
Carlos Gomes,
Carlos Gomes!

Quando imperava a negra escravidão
Apareceste no cenário
E compuste a mais linda canção
Que inveja causou ao canário!
Das tua óperas "O Guarani"
Foi quem te deu grande sucesso,
Foste o maior músico lírico
Que cantou o tema brasílico
Em sinfonias e em versos!

Carlos Gomes,
Carlos Gomes,
Carlos Gomes!

Mas, tão de repente
Você partiu
E foi com os seus belos hinos
Inundar o Anil
Deixando saudades
Em todo o Brasil!

Carlos Gomes,
Carlos Gomes,
Carlos Gomes!

Sim, em meio à negra escravidão
Apareceste no cenário
compondo a mais linda canção
Que inveja causou ao canário!
Tua ópera "O Guarani"
Foi quem te deu maior sucesso,
Foste o músico lírico
Que cantou o tema brasílico
Em sinfonias e em versos!

Carlos Gomes,
Carlos Gomes,
Carlos Gomes!

Mas, tão de repente
Você partiu
E foi com os seus belos hinos
Inundar o Anil
Deixando saudades
Em todo o Brasil!

Carlos Gomes,
Carlos Gomes,
Carlos Gomes!

Que saudades de você!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

DEMOCRACIA*

Com base no poema DEMO X CRACIA de Carlos Paiva, poeta itaitubense
Conceito sublime dos gregos
- O povo assumindo o poder -
No entanto, quantos pelegos
Não fazem o povo sofrer!

Filhos de um mesmo ventre.
Entretanto, todo dia
Assistimos à briga entre
DEMO versus CRACIA!

Vemos o DEMO nas filas,
No ônibus, na feira, no lixo...
Arquejando nos becos, nas vilas,
Comendo detritos qual bicho!

O DEMO está doente, faminto,
Aos trapos, desamparado...
Mal pago, cansado, ao relento
E na mais das vezes, desempregado!

Vemos o DEMO sob o céu,
Debaixo do sol e da ponte
Abandonado sem nada, ao léu
A viver do suor de sua fronte!

Mas a CRACIA está em Brasília,
Nas capitais, nos municípios
Vivendo às mil maravilhas,
Sem escrúpulos nem princípios!

Mas a CRACIA está saudável
Alimentada, bem disposta, protegida...
Decidindo a vida miserável
Do DEMO que não tem fé na vida!

Mas a CRACIA está na sombra, no tudo,
Nos edifícios pairando ao ar
Vai muito bem, graças ao criado-mudo
Do DEMO que se deixa explorar!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

À MARGEM DOS MARAJÓS

                      
Ao Jetro Fagundes,  farinheiro marajoara
À margem dos Marajós, esquecida,
Sob o canto dos pássaros em festa,
Surges, semente em botão, para a vida...
Surges, Melgaço, cidade-floresta!

Poeta menor que sou só me resta
Através de lembranças revividas
E em cada lágrima que brota, honesta,
Apontar teus encantos, querida!

Relembrando teu passado remoto
Nas páginas de um livro ignoto
De um filho teu que, por muito te amar,

Sofreu, por um tempo, a tua ausência
É que posso em sã consciência
Perante o mundo, enfim, te exaltar!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

¿QUÉ HAGO YO?


¿Qué hago yo 
De mis sueños 
Qué hago yo? 
 
¿Qué hago yo   
De tus ternuras   
Que nunca tuvo? 
 
¿Qué hago yo   
De este dolor   
Que me sofoca? 
 
¿Qué hago yo? 
¿Qué hago yo? 
¿Qué hago yo?

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DE AMOR E LUA CRESCENTE


Sou o homem mais feliz dessa terra
Quando eu te desnudo em meus braços
E me enroscas em teus longos abraços
Querendo paz e dizendo não à guerra

Que porventura de dia foi travada
Entre nós, mas que ao cair da noite
Recebeu de tua boca nacarada
De mel o golpe fatal do açoite!

E eu, correspondendo aos teus anseios,
Acaricio os pomos de teus seios
Vendo a lua crescer em teu olhar

De gata selvagem em pleno cio
E ao pé de teu ouvido balbucio
Que pela vida sempre te hei de amar!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

POR ONDE SE VÊ...


Por onde se vê
Eu estou indo bem levando a vida
Continuando a sonhar por mais um dia
Com o amor que ainda pode acontecer...

Por onde se vê
Não tenho o que reclamar da vida
Mas tenho a minh'alma dolorida
Já não sei mais o que, enfim, deva fazer...

Sei
Que a vida sem você é bem pior
Não há felicidade ao meu redor
Eu sofro muito vivendo infeliz...

Talvez
Não haja outra chance para nós
É o coração quem diz, escute a voz
De quem parece feliz por onde se vê!

Por onde se vê
Não tenho o que reclamar da vida
Mas tenho a minh'alma dolorida
Já não sei mais o que, enfim, deva fazer...

Sei
Que a vida sem você é bem pior
Não há felicidade ao meu redor
Eu sofro muito vivendo infeliz...

Talvez
Não haja outra chance para nós
É o coração quem diz, escute a voz
De quem parece feliz por onde se vê!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

A AURORA QUE PROVÉM DA MADRUGADA


A madrugada informe,
Cólebra,
Desliza entre os seios
Da noite
Afagando as cálidas
Lágrimas
Dos anjos caídos,
Anjos sem nome,
Sem asas,
Que saem
Juntamente com a lua
A recolher
Por entre os jardins
As juras de amor eterno
Proferidas
Pelas namoradas suicidas
Que preferiram
Morrer virgens
A entregar
A outro falso amor
Seu corpo, sua inocência,
Sua pele inconsútil.

A madrugada, cólebra,
Serpeiteia
Pelo ventre insaciável
Da manhã
Anunciando o ressurgir
Das noivas
Que voltaram
Impolutas
Para o colo indolor
De seus amados.

A madrugada, informe,
Cambaleia
E dá lugar ao nascer
De um novo dia!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Horário de Brasília

Visitantes

Free counters!

Amigos On Line

Outras Saudades...