gravatar

NÃO ME DEIXE, NÃO! (NE ME QUITTE PAS)

SÉRIE: "TRADUÇÕES"
NE ME QUITTE PAS
Composição: Jacques Brel
Versão: Jaime Adilton

Não me deixe, não!
Quero esquecer
Esse meu sofrer
Que ficou pra trás.
O meu coração
Não quer mais saber
Como vai fazer
Pra não lembrar mais
Da felicidade
Que vivi outrora
Só restou saudade
Nos vãos da memória.
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Te oferecerei
Pérolas de chuva
De países onde
Não pode chover;
Vou escavar a terra
Mesmo até a morte
Quero, pois, de ouro
Teu corpo envolver!
Na terra só minha
O amor será o rei,
O amor será a lei,
E você, a rainha!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Não me deixe, não!
Eu vou inventar
Palavras à toa
Que compreenderás.
Eu vou te falar
De amantes cujos
Corações puderam,
Enfim, incendiar!
Eu vou te contar
A história do rei
Que morreu sem grei
Por não te encontrar.
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Quantas vezes, logo,
Reacendeu-se o fogo
De vulcão antigo
Que estava extinto...
Dizem que a terra
Por ele queimada
Está já florindo
Fértil primavera.
E ao cair da tarde
O céu então se veste
De vermelho e negro
Em rude contraste.
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Não me deixe, não!
Já não há mais lágrimas
Para eu chorar.
Vou me esconder
Para, enfim, te ver
Sorrir e dançar
Pra poder te ouvir
Outra vez cantar.
Deixa que eu me faça
A tua tênue sombra,
A tua verde alfombra,
O teu vira-lata...
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

by Pedro Paulo Barreto de Lima

Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar,
E uma velha ternura de bulldog!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar.
E, se razão faltar-lhe pra chorar,
Volte, então, outro dia, bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É, procurar, em vão, na madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!...


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Visitantes

Free counters!

Outras Saudades...