gravatar

PROMESSA DE AMOR



Ensimesmado na beleza do silêncio
A única voz que ouço
É a do coração
Que diz para não deixar-te!
Ouço-a e então me reconforto
Pois ainda que não a tenha
Em meu colo
Ainda que nunca
Faça um cafuné
Em seus cabelos
Você,
Sim, você estará
Para sempre
Em meu coração
Estará para sempre
Em minhas lembranças
E por isso
Nunca irei abandoná-la!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DOS LAÇOS ETERNOS (ORFEU & EURÍDICE)



Estou unido a ti por todo o sempre
E nada há que nos possa separar.
Nosso amor (passe o tempo que passar)
Continua sendo o mesmo, visto que entre

Nós existe a química do luar
De quem viu a lua abrir o ventre
Pra que nascesse o Plenilúnio! Entre-
Mentes não vimos se concretizar

O sonho de vivermos plenamente
Na placidez dos tempos, ternamente,
O amor que triunfou sobre os infernos!

Amor igual assim eu desconheço:
O nosso sentimento não tem preço
E os laços que nos unem são eternos!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

NÃO ME DEIXE, NÃO! (NE ME QUITTE PAS)

SÉRIE: "TRADUÇÕES"
NE ME QUITTE PAS
Composição: Jacques Brel
Versão: Jaime Adilton

Não me deixe, não!
Quero esquecer
Esse meu sofrer
Que ficou pra trás.
O meu coração
Não quer mais saber
Como vai fazer
Pra não lembrar mais
Da felicidade
Que vivi outrora
Só restou saudade
Nos vãos da memória.
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Te oferecerei
Pérolas de chuva
De países onde
Não pode chover;
Vou escavar a terra
Mesmo até a morte
Quero, pois, de ouro
Teu corpo envolver!
Na terra só minha
O amor será o rei,
O amor será a lei,
E você, a rainha!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Não me deixe, não!
Eu vou inventar
Palavras à toa
Que compreenderás.
Eu vou te falar
De amantes cujos
Corações puderam,
Enfim, incendiar!
Eu vou te contar
A história do rei
Que morreu sem grei
Por não te encontrar.
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Quantas vezes, logo,
Reacendeu-se o fogo
De vulcão antigo
Que estava extinto...
Dizem que a terra
Por ele queimada
Está já florindo
Fértil primavera.
E ao cair da tarde
O céu então se veste
De vermelho e negro
Em rude contraste.
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

Não me deixe, não!
Já não há mais lágrimas
Para eu chorar.
Vou me esconder
Para, enfim, te ver
Sorrir e dançar
Pra poder te ouvir
Outra vez cantar.
Deixa que eu me faça
A tua tênue sombra,
A tua verde alfombra,
O teu vira-lata...
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!
Não me deixe, não!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

UM PEDAÇO DE MIM


No triste momento em que você saiu da minha vida
Foi amputada uma parte de mim.
No instante mórbido em que me disseste adeus
Com você se foi embora uma parte de mim,
Pois contigo levaste  o meu coração…

Agora a profunda saudade
Dos nossos momentos de felicidade
Fere o meu coração de intensa nostalgia
E, sozinho, penso em você,
Meu grande amor!

Se lembrar você todos os instantes
Acabasse o meu sofrer e trouxesse você de volta pra mim
Eu seria a pessoa mais feliz
Pois não te esqueço um instante sequer.

Em vão tento fugir dos meus amigos;
Em vão tento fugir dessa saudade!

E é assim que pensando em você fecho meus olhos
Para que a tua imagem se me afigure
Como naquela noite enluarada
Em que você me confessou o seu amor…

Aqui e agora a solidão é minha atroz amiga
E o que me consola é lembrar
O momento em que falaste com o profundo de tua alma
Que eu seria
O teu único, o teu eterno amor!

Que doce e arrebatadora consolação!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

LAMENTO À LUA MINGUANTE



Venho pedir-te humildemente em prece:
Cura a dor que em mim não desvanece

Da saudade da sempre Amiga e Namorada
Que um vento mau levou pela estrada

Da vida afora, afastando-a de mim
Para o longínquo do adeus sem fim!

Minha prece ouve, ó lua minguante,
Dá-me que eu seja teu eterno amante!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

O SEGREDO DO VENTO



O romper da alva já se aproxima;
Os pássaros cantam alegremente
Uma estrela a luzir lá em cima
Lembra-me do meu Deus Onipotente!

São oito horas! O céu está lindo!
A poesia das cores é deslumbrante
E as árvores balouçam-se ouvindo
Do vento um segredo sussurrante.

É o segredo de um amor proibido;
Uma paixão ardente e salutar;
Um romance, talvez, já esquecido…

E as árvores ridentes a escutar
Esse segredo com um atroz gemido
Soluçam e choram por este mal de amar!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

A SONG FOR MELGAÇO


Melgaço,
Já disseram
Que és “o refúgio dos pássaros”
O “ponto em seguida da beleza”
E que “tuas matas verdes encerram”
Maravilhas indescritíveis…

Imortalizaram-te
Nas mais belas páginas
De tua literatura embrionária!

Todavia,
Teus poetas sonhavam
Enredados
Num labirinto de utopias
Quando te pintaram
A Vênus imponente
Adornada de imortal beleza!

A verdade, porém,
É que saltas
Ante meus olhos míopes e nauseados
Como uma criança maltrapilha
A mendigar uma gota de carinho…

(Carinho de lua cheia!)

És uma pobre flor entreaberta
Ao forte sol de verão
Que queima e dilacera
As pétalas da esperança!

Estás enclausurada
Em tua própria concha,
Não vês?!

Desperta, desperta, Melgaço!…
Olha à tua volta
E vê os lírios que acordam líricos
Nesse suave amanhecer!

É chegado um novo tempo
Aonde os teus sonhos desvairados
Se cristalizarão
Na mais pura verdade!

Ver-te saltar deste emaranhado de ilusões
Para a concretização
De um amanhã feliz
É um êxtase de ternura
Para a minha alma de poeta!

Nesse palco de indecisões
Teus atores ensaiam a vida
Que palpita
Radiante em teu seio…

Melgaço,
Minhas congratulações
Aqui e agora quero dar-te
Pois é bom demais
Ver-te florindo,
Desabrochando
Para a Arte!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

À MINHA BEM-AMADA, A POESIA!



Oh! Muito mais que explicada
Ela precisa ser sentida.
Roçar-lhe a superfície d'alma
ou mergulhar seu ser profundo

Eis a tarefa inesperada
Que por mim deseja ser fruída;
Não promete nenhuma palma
Mas é o bem maior do mundo!

Lenitivo pra minhas dores
E bálsamo cicatrizante
Dos meus pesares - alegria!

Meu triste gris em vivas cores
Vai transformando hilariante
A minha Bem-Amada, a Poesia!

by Olímpio José de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA LEI MAIOR




Faço versos e amor a qualquer hora
E acari(cio) o orvalho da manhã
Que desce por teu púbis sem demora
Deixando enrubescida tua maçã

Se és Eva ou tua boceta se és Pandora
(Fonte desse calor - febre terçã -
Que me percorre o corpo todo agora
E sempre.) E a minha lida e o meu afã

É, pois, louvar-te sempre com ternura
E degustar teu gozo iridescente
Que pela face (v)(f)ulva me procura

E me faz ter delírios de repente!
Eis o sentido da vida! E o que sei
É que amar e ser amado... essa é a lei!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DE UM AMOR ETERNO, IMORTAL!



Por toda a vida minha vou te amar
Com maior intensidade que Vinícius
E hei de suportar quaisquer suplícios
Pra que eu possa em teu colo descansar.

Por teu amor desprezei todos os vícios
E gozos que pudessem me encantar;
Me fiz poeta pra em versos desenhar
Tua alma plena zerando os desperdícios!

E, por isso, meu amor é mais bonito
Que as canções do rei Roberto Carlos
Por que é sublime e maior que o infinito!

E por mais que eu viva em desventura
Serei feliz a curtos intervalos
Sempre que, amor, lembrar-te com ternura!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

NON TE SCORDA DI ME...



Quando Diana assomar no céu
Por sobre a crista das montanhas, triste,
Lembra, querida, do que puro viste
Nos meus olhos naquele escarcéu

De emoções do reencontro. Riste
Para as brancas paredes do hotel
Que protegiam desse mundo cruel
O amor que em nosso peito inda persiste...

Hoje, Diana vai aparecer faceira
E inundar a noite com o sorriso
Mais amável que tiver na algibeira!

Quero que saias também, pois é preciso
Que ela te veja e desmaie de tonteira
Ante a beleza maior do Paraíso!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

FOGO QUE AMENIZA MINHA DOR



Se eu te pudesse exprimir agora
O que me vai no rosto entristecido
saberias, de certo, o que hei sofrido
Co' essa louca paixão que me devora!

E que horas a fio fico, esquecido,
Dos problemas querendo ir-me embora
Pra o teu regaço nas asas da aurora
E ao teu lado estar amanhecido!

Não posso entanto! E a cruel distância
É um corcel a galope na doce ânsia
De lembranças levar-te desse amor...

Vou recolher-me, querida, já é tarde,
Pois no lume da ternura ainda arde
O fogo que ameniza a minha dor!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

SEM DIZER ADEUS



Faltou nas palavras mais brandura,
Mais ternura no gesto, no olhar;
Faltou calma no ato de expressar,
Faltou luar na noite triste e escura!

Faltou no vaso a flor tão esperada
E na escada o passo indeciso;
Faltou da inocência o Paraíso,
Siso em decisão precipitada!

Faltou o abraço lasso, abraço terno,
Sob o cúmplice olhar de Deus!
Restou a perspectiva do inferno.

Faltou, enfim, o meu olhar nos teus
E o nosso amor que parecia eterno
Foi-se embora sem dizer: "adeus!"

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

ELEGIA PÓSTUMA À MINHA AVÓ MATERNA


Jamais tive o privilégio de beijar-te o rosto,
Acariciar tuas mãos, deitar-me em teu colo!...
Creio que provém daí a cratera sentimental,
Imensa cratera que marcou indelevelmente

Minha vida! Sim, é a falta de teu carinho
A solidão que me perturba nas noites sem luar
Ratificando o desejo profundo de ver-te!
Quem sabe um dia nos propicie Deus
Um inesquecível encontro na imensidão do Infinito!
Esse há de ser um dos dias mais felizes da minha vida.
Sentar-me-ei ao teu lado outra vez criança e

Chamar-te-ei simplesmente de... vó!
Oh, inaudito momento: estrelas cadentes cumprindo desejos,
Risos estampados em rostos serenos,
Réstia de luz invadindo o peito,
Êxtase dos êxtases, pureza inocente do primeiro verso!
Assim, vovozinha, esqueceremos esses anos de ausência e solidão!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

COMPANHIA



Luz a estrela d'alva:
Já não estou sozinho
Nessa escuridão!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

ABRE-ME, POIS,TUA CAIXA DE PANDORA!



Vem, amor, minha nudez já te espera
Nesta noite friorenta de inverno!
Quero te amar de um jeito muito terno
E colher em tua boca a primavera!

Quero mostrar-te essa fúria de fera
Que habita o meu coração fraterno;
Ser na cama teu escravo e subalterno,
Tuas vontades fazer, ah! quem me dera!

Vem, querida, pois já ardem os meus lábios
Para o mel, lamberem-te, sem ressábios...
Esqueçamos, pois, a vida la fora

E entreguemo-nos à paixão intemerata
Sob a bênção desse luar de prata...
Abre-me, pois, tua caixa de Pandora!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DE CURTIÇÃO



Estou de viagem marcada
Vou conhecer o sertão.
Venha comigo, camarada,
Vai ser a maior curtição.

Essa viagem será abençoada
E fará um grande bem à emoção,
Pois o corpo e a alma turbada
Revigorados voltarão!

Vou viajar! É um sonho antigo!
E te levo, leitor, comigo,
Por favor, vê se não some!

Pois mostrarei ao povo de lá
Que a sina deles se pode aturar:
- Existe coisa mais feia que a fome!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

FASCÍNIO CRESCENTE



A beleza da lua me encanta
Seu Crescente fascínio cativa-me
Cativo sou prisioneiro das horas
Perdidas horas de melancolia!

Vã melancolia que se esvai
Esfumando-se na prece singela
Que minha'alma oferta ao luar
Luar que me enche de gozo
Gozo: resultado de amar!

by José Olímpio de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

MARULHOS DO MAR



Ah, mar!
Amar
O mar!

Ao mar
Voltar,
Chorar!

Sem ter

Você!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

SAUDADES DE MINHA MÃE



Sinto falta do calor do teu abraço
Nas friorentas noites de inverno
Do carinho, da ternura e do laço
Que nos unia de um amor eterno!

Do aconchego maternal, fraterno
E até do silêncio de teu passo
Cadenciado vindo de compasso
velar meu sono, noite à dentro, terno!

Mas então, a Indesejada, sorrateira,
Pra muito longe te levou por fim...
Pra morada, de todos, derradeira!

E eu fiquei tão sozinho, ai de mim!
Sentindo uma saudade verdadeira
De teus cuidados, mamãe, meu querubim!

by Olímpio José de Araújo
Leia Mais ››


Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Horário de Brasília

Visitantes

Free counters!

Amigos On Line

Outras Saudades...