gravatar

UM NOVO TEMPO VAI RAIAR



Madrugada à fora
Galos cantam em coro
Canções do amanhecer!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

CONSTATAÇÕES DE UMA FEBRE DELIRANTE



Tenho febre e escrevo vãos delírios!
Sensações de que as coisas não estão
No lugar onde deveriam!... A visão
De minha janela mostra-me os martírios

Que sofrem as rosas, os cravos e os lírios
E a margarida mal saída do botão
E a flor de laranjeira e o açafrão
Saídos de um pesadelo pra meus colírios!

Definitivamente as coisas mudam de lugar.
Só a febre em mim é permanente
E essa sensação estranha, visceral

Que me acabrunha e me leva a meditar
Sobre o amor - o sentimento mais demente
Que o homem inventou para seu mal!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

SOBREVIVENTE



À longa noite
dos generais
Sobrevivi
E volto pálido
Pra junto de meus pais
Embora tão velho assim,
Mas trago dentro do peito
A esperança que não morreu
Em um mundo de amor perfeito
Um tiquinho multiterno do céu!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

POR QUE AS LENDAS MORREM?*



              *Título extraído do subtítulo de uma monografia de Docival Gomes

Há um ano, Docival, tu nos privaste
De tua sempre fraterna companhia.
Esbanjavas por tua volta alegria
E em teu rosto num sutil engaste

Vislumbrava-se - oh, mas que contraste -
A rosa da tristeza que sorria
À espera de que raiasse logo o dia
Em que da paz erguida fosse a haste!

Mas te foste sem muita explicação
E deixaste em noss'alma melancólica
Uma doce saudade em construção

De tua obra intensa, singular, bucólica,
Poesia sem firulas, poesia social
Que deste mundo amenizava o mal!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

ESSE AMOR…



É inexplicável
E transcendental
O nosso amor
Posto que se compõe
De inúmeras partículas
Dessa matéria
A que chamamos vida
E a quem os poetas chamam
Mais propriamente sonho…
Sim, nosso amor
É um sonho real
A nos encher de fantasia…
E te amo!
Não com a angústia
Dos amores terminais
Horrorizados com a idéia da solidão
Mas com a paz, doce paz
De um amor calmo e tranqüilo
Cumprido na tranqüilidade
De uma tarde cinzenta
Próximo a um lago azul!
Ah! É tão gostoso lembrar de você
E te contemplar, extático,
Tão longe de mim,
Pois és esta lua
A lançar um não-sei-quê
De mistério e poesia
No fundo de minha alma
Até chegar o indelével momento
De te amar!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DE DESENCANTO AO MEU XARÁ MANUEL BANDEIRA



O desespero da noite agoniza
Nos cálidos abraços da aurora
Que um novo alento revigora
Em mim e na minh'alma eterniza

Essa áspera vontade de ir embora
Beijando-lhe os lábios e a face lisa
Deixando-me acarinhar por sua brisa
Doce acalanto do amor de outrora.

Desce em meu rosto uma lágrima amarga.
Dá uma vontade de ir para Pasárgada
E consolar-me ao pé de Manuel

E esfolhar-lhe a estrela da vida inteira.
Vontade de encontrar-me com Bandeira
Satisfazendo o meu sonho de céu!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

PRESENTE DE NATAL



Presente algum
Eu queria neste Natal…
Aliás, somente um,
Mas esse é excepcional:
O presente que eu mais quero
É ter você bem junto a mim.
Quero reconstruir o meu castelo
E o meu coração ofertar a ti!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

LAMENTO DE AMOR



Antes que a vida nos traga
A solidão dos alpes
Quero beijar tua boca, Maria,
Quero acariciar
Tuas mãos calejadas
Quero sorver
O perfume de teus seios
E tocar, num frêmito,
Tua pevide!

Antes que o frio intenso
Me congele os sentimentos
Quero viver contigo
Essa aventura
Para além do país dos sonhos
Como Peter Pan e Sininho
Na Terra do Nunca
Ou João & Maria
Perdidos
Na casa da Velha Gulosa,
Velha Golosa!

Quero morrer em teus braços, Maria,
Quero viver em teu colo, Maria.
Quero sonhar os teus sonhos, Maria.
Quero você, Maria!

Antes que a solidão dos Alpes
Me enregele os ossos
E eu não tenha mais teu carinho,
Maria!

by Olímpio José de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

PRIMEIRO AMOR



Extinto o amor primeiro
Que resta ao poeta
Senão chorar?!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

IMPRESSÕES DE UM ECLIPSE



À espera estou de um eclipse
Anunciado, hoje, para a lua.
Madrugada afora estou na rua
Pra esse encanto captar numa elipse.

Então a sombra desenha o apocalipse
E expulsa ao Minguante que se insinua
A solidão, pois a alma pura e nua
Já não pode falar em paralipse!

É o ciclo da vida que se renova.
A penumbra é total, é Lua Nova!
Minh'alma, então, uma canção, aos céus alteia!

Depois, surge o Crescente luminoso
E Diana ganha o porte majestoso
De uma autêntica e sublime Lua Cheia!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

SEMPRE SEREI TEU INCONSTANTE AMIGO



Quando sentires n'alma o peso da distância
Quando o tempo te for um pesadelo
Lembra de mim que desde o tempo de criança
Por ti nutria um amor com mui desvelo.

Quando o vento sul bater nos teus cabelos
Quando sentires um desejo, uma ânsia
De procurar-me, estarei presente pelos
Dias em fora sempre em tua lembrança.

Por que a vida foi cruel assim conosco
E sorvemos Tatuzinho e Dom Bosco
Não sei dizer-te! - merecemos tal castigo?

Mas porque foste minha eterna namorada
Mesmo sem nunca desvendarmos a madrugada
Sempre serei teu inconstante amigo!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

AMOR, ETERNO AMOR



Se da folha a dor pudesse ser sentida
- Arremessada do galho pelo vento -
Se o fremir de seu doce sofrimento
Do poema na margem coubesse perdida

Se ouvido fosse a todo o momento
O adeus patético da rubra orquídea
Que se entrega perfumosa e felídea
Ao contato de humano sentimento...

E, se, por fim, pudesse ser contado
Em versos livres o amor que foi negado
Aos amantes sem pudor, sem sul nem norte

Eu romperia de meu peito o silêncio
E dir-te-ia desse Amor - pois nada vence-o -
Nem a distância, nem o tempo, nem a morte!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DO AMOR IMORTAL



Vontade de sentir a superfície
De tua alma roçando a minha pele
Ser em teu ser tal qual meningocele
Ficar em ti, tatuado, qual efígie!

Vontade de, enfim, gozar aquele
Momento reservado com blandície
Quando juraste à margem do Estige
Dizendo: "Meu amor será só dele!"

Quem dera que minh'alma apaixonada
Seguisse assim da vida pela estrada
Cantarolando aos céus a minha dor...

Quem me dera "não mais que de repente"
Chegar feliz, alegre e sorridente
Ao destino final do grande amor!
Leia Mais ››


gravatar

O MEU AMOR POR TI É GRANDE, SEMPITERNO!



Se te amo?! Ora, Senhor! Por que duvidas
Do sentimento mais lindo que já houve?!
Nem Camões, Drummond, Mozart ou Beethoven
Cantar puderam com emoção sentida

O amor de suas musas como eu canto
Nesses rudes versos incompreendidos!
Se eles, às vezes, não fazem sentido,
Eu, todavia, vou sorvendo o pranto

Que hei derramado quando te vejo triste!
Pois o amor que há em mim resiste
Ao tic-tac do relógio e aos acenos

Bem como à luxúria dos versos obscenos:
O meu amor é mais que o céu e o inferno
O meu amor por ti é grande, sempiterno!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

A DOR DE UMA GRANDE SAUDADE


Glosa
A dor não mata porque faz chorar:
se esvai no pranto aos poucos, suavemente.
(Beatrix dos Reis Carvalho - Papai )

A dor não mata porque faz chorar
O tristonho poema que transborda
Do coração e faz vibrar as cordas
Saudando um verso triste ao luar.

Mas ela fica no peito a inflamar
A paixão adormecida que acorda
E salta, feliz, para além das bordas
Do coração que se põe a lamentar...

A dor aguda faz sofrer o peito
Que geme a perda de seu grande amor
E, mudo, se queda, insatisfeito

Sorvendo a tristeza mais dolente,
Pois da saudade imensa a grande dor
Se esvai no pranto aos poucos, suavemente!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

TATUADA PARA SEMPRE EM MIM



E, finalmente, te reencontrei!... Estavas bonita,
Muito mais jovem do que imaginei, e cheia de vida!
Levei-te versos de amor e os dei em tuas mãos,
Naquele instante o tempo parou de grande emoção!

A ferro e fogo na carne, feito tatuagem,
Não posso removê-lo!
O sentimento que invade, é amor, é saudade,
Mas não dá pra vivê-lo, vivê-lo!

Por isso a minha triste sina é não ter você;
Não há como seres a minha menina sem sofrer!
Não posso explicar porque quis o Destino assim,
Só sei que pra sempre estarás tatuada... em mim!...

Sei, foi tamanha a alegria do nosso reencontro,
Como foi bom abraçar-te, e chorar em teu ombro!...
Mas, se o Destino quiser que não mais nos vejamos,
No peito isso não muda nada: ainda nos amamos!

A ferro e fogo na carne, feito tatuagem,
Não posso removê-lo!
O sentimento que invade, é amor, é saudade,
Mas não dá pra vivê-lo, vivê-lo!

Por isso a minha triste sina é não ter você;
Não há como seres a minha menina sem sofrer!
Não posso explicar porque quis o Destino assim,
Só sei que pra sempre estarás tatuada... em mim!...

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

O AMOR ME BATE À PORTA E EU NÃO POSSO ABRI-LA!...



Há vestígios de saudade pelo quarto
Cento e dez do Habib's Palace Center
Onde um encontro marcado pelo tempo
Aconteceu regado a choros e abraços!

Veloz corre a mágica manhã e parto,
Resoluto, à minha vida de sempre...
Mas, em meu peito mais que um passatempo,
Brota a rosa inebriante de teus passos

Anunciando teus sinais: chegaste!
Sim, chegaste terna, meiga e tranquila...
E a ternura que eu julgara morta

Apenas adormecera! - contraste
Do destino: o amor me bate à porta
Quando eu já não posso mais abri-la!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

A BELA E A FERA

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



Todos temos o nosso mal secreto:
Seja um pensamento pecaminoso,
Um desejo de posse voluptuoso,
Ou mesmo a falta de algum afeto.

O certo é que ninguém é venturoso
O tempo inteiro e nem também correto.
Verdade é que o que temos de concreto
Não passa de um momento vaporoso!

Temos em nosso recôndito da alma
Um triste outono ou alegre primavera...
Cabe a nós cultivar, com muita calma,

O que melhor nos traduzir pudera,
Pois dentro de nosso peito sem trauma
Convivem, mas nem sempre, a Bela e a Fera!

by Olímpio José de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

BRANCA DE NEVE

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



- Espelho, espelho meu, dizer-me deve
Se há no Reino quem possa igualar-me
Em elegância, formosura e charme?!
- Vós sois a mais bela! - E a rainha teve

Raios de volúpia, mas não se conteve
E dias depois:... "Não ouse desapontar-me:
Há mais bela?" - E o espelho com alarme -
- Sim, Rainha, há alguém: Branca de Neve!

E assim começa a história badalada
Da Princesa cujo peso da inveja
Sofreu de sua madastra, rainha má!

Provou o gosto da Maçã Envenenada
E dormiu profundamente indefesa
Até que o Príncipe a veio despertar!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

SHREK

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



No Reino de Tão Tão Distante tão distante
Lá no quarto mais alto da torre mais alta
Está a Princesa Fiona - luzes na ribalta! -
Esperando o Encantado, príncipe, seu amante

Que salvá-la deve de entre o vulcão escaldante
E vencer o dragão também está na pauta.
Entanto, pertencendo dos vilões à malta,
Foge, o Príncipe, da empreitada estafante.

E, se o resgate da Princesa está em xeque
Necessário se faz que um nobre cavaleiro
Se disponha a salvá-la com todo o heroísmo.

Essa é a saga que conquistou o mundo inteiro
De um Ogro Verde que salvou com brilhantismo
A Princesa e ganhou seu coração: Sir Shrek!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

JOÃO & MARIA

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



A casa é tosca e de doces comestíveis
Sua inquilina é uma grande feiticeira
Que durante toda a sua vida inteira
Dedicou-se a fazer coisas horríveis!

Entra em cena, ó triste carpideira,
Pois há gritos, lamúrias indiscerníveis...
Será que estão padecendo penas terríveis
Nessa choupana de chocolate e brigadeiro?!

Sim, são as crianças que saíram a buscar
Pela floresta gravetos pra cozinhar
Que sua mãe mandou ao romper do dia!

E agora estão na casa mal-assombrada
Presos, à mercê de uma bruxa malvada.
Que fim sinistro hão de ter João & Maria?!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

RAPUNZEL

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



Na homérica solidão da vasta torre
Ei-la, infeliz e condenada a fenecer
Sem entregar-se a seu amado, sem receber
Uma carícia sequer, vivendo como quem morre.

Na hora extrema quem a poderá valer?
O Príncipe esbaldou-se e está de porre.
E, se, nem o lacaio palaciano a socorre
Certamente a Princesa vai perecer

Nas mãos terríveis da bruxa malvada
Em cujos punhos há uma faca afiada
Brandindo horrores até mesmo contra o céu.

(Ah, quem me dera ser aquele a quem amas
E eu enfrentaria bruxas frias ou em chamas
E te libertaria, inacessível Rapunzel!)

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

A BELA ADORMECIDA

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



Sou feliz! Que bonança! Que ventura!
É tamanha e tal a minha felicidade
Que não encontro pelas ruas da cidade
Alguém que igualar me possa em ternura!

Nesse estado sou toda suavidade.
Quem procura amor e paz a mim procura,
Pois outra no mundo não existe criatura
Cuja vida seja tranquila de verdade!

Sou feliz! Não posso reclamar da vida
Que me fez venturosa, charmosa, apetecida
E Bem-Amada, não necessariamente nessa ordem.

Sou feliz! E há de ser assim eternamente
Até que o beijo de meu Príncipe me descontente,
Pois sou feliz e não admito que me acordem!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

O LOBO MAU (CHAPEUZINHO VERMELHO)

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



Vejo-te andar, feliz e só, pela estrada,
Exuberante, que me dá água na boca!...
Só mesmo sendo uma dama muito louca
Pra andar assim desguarnecida, desamparada!

Levas docinhos para a vovó - e marcas touca
Ao te deixar guiar do vento pela lufada...
Não vês que te espreito, ó doce cobiçada,
Com uma fome voraz que não é pouca?!

Poupa-me, pois, Chapeuzinho, o trabalho
De ir à casa de sua avó. Eis um atalho
Que, em o seguindo, há de chegar-te ao prazer!

Vai, menina, que no fim dessa floresta
Eu te espero para começar a festa:
Sou o Lobo Mau e hoje vou te comer!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

CINDERELA (SAPATINHO DE CRISTAL)

SÉRIE: CONTOS DE FADAS



A minha Cinderela tem piolhos.
A minha Cinderela é igual
A outras Cinderelas, mas escolho
Esta, porque está é meu fanal.

Busquei-a em meio aos restolhos!
Era gata borralheira, não faz mal.
Agora é a única Princesa de meu olho,
Dona inconteste do Sapatinho de Cristal!

Por isso, a amo e a quero pra Rainha
De meu Castelo de Sonhos e Sedução.
Que venha logo e mitigue a sede minha

Que estou secando no fogo da paixão!
A minha Cinderela é só minha
Dona & Senhora de meu pobre coração!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

À MINHA FÃ NÚMERO ZERO



"Sou sua fã número zero!"
Ela falou-me ao telefone
Com uma voz inebriante!

Oh, som gostoso de bolero!
Paixão ardente que consome...
Minha pepita, meu diamante!

Pra ela eu fiz este indriso

Porque me vi no Paraíso!

by Pedro Paulo Barreto de Lima
Leia Mais ››


gravatar

ACORDADO NA TRISTE E FRIA MADRUGADA



Estou de mal com Morpheus.
Não quero seus braços,
Seus longínquos braços
Cheios de adeuses e solidão!

Prefiro continuar desperto
E lembrar dos meus sonhos,
singelos sonhos de criança
Quando eu acreditava na vida,
Quando eu acreditava no amor!

(Mas isso foi há muito tempo...)

A ter que entregar-me a ele
E reviver os pesadelos
Perdidos na insônia
De Fred Krueger
No submundo
Da desesperança!

Mas estou lúcido
E vou sobreviver
À Hora do Pesadelo!!!

by Manoel da Silva Botelho
Leia Mais ››


gravatar

MEU PRIMEIRO INDRISO



Há versos que eu quisera ter escrito
Em poemas que me dessem glória e palma
E rimas que eu podia ter inventado.

Outros poetas, porém, - que inaudito! -
Dormiram com a Amada de minh'alma
E puseram no papel o resultado

Desse sonho, dessa noite tão conspícua.

E descubro que Calíope é promíscua!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Horário de Brasília

Visitantes

Free counters!

Amigos On Line

Outras Saudades...