gravatar

UM CANTO QUE NÃO SE CALA



REFRÃO

Pai, escuta-me a voz do silêncio!
Pai, escuta-me a voz do silêncio!
Pai, escuta-me a voz do silêncio!
Que já não tenho mais força…

Para gritar ao mundo meu lamento
Suporto a cruz da minha poesia
Meu verso seco, rude e malombento
Minha tristeza aos prantos denuncia.
De que me vale ter os olhos livres
Se permanecem minhas mãos atadas?
Se os olhos vêem os filhos que não tive
Abandonados à beira da estrada?

Como é que posso, pai, resignado,
Calar diante de tanta injustiça?
Se ao mundo vim cumprir a minha liça
Estufo o peito, mas não sou escutado.
Então libero uma força tamanha
Que se traduz nesse silêncio aflito;
Quanto mais calo mais forte esse grito
Se faz ouvir muito além da montanha.

De tanto pranto já não há mais lágrimas
De tanta fome só há osso e pele…
Vejo crianças, homens e mulheres
Em cada esquina a mendigar… Que lástima!
Insone fico pela madrugada
A meditar em vão numa saída.
Hei de comprar a cada dia a vida;
Meu verbo não pode exprimir mais nada…

Meu coração não é maior que o mundo
Para conter todo esse sofrimento,
Mas o meu pobre verso é o lenimento
Minha revolta nele sempre infundo.
Sou vítima da ambição desmedida
Que quer roubar-me minha estrela guia,
Envergonhar a minha poesia,
Calar meu canto e me acabar co’ a vida!

Eu sei meu canto não está perdido
Nem meu lamento de desesperança…
Ainda resta um pouco de esperança
Dilacerando o peito qual gemido!
Desesperado quero abrir a porta
Refúgio procurar na solidão…
Quero de vez, morrer na contramão
Contudo, nem com isso alguém se importa.

OFERTA

Agonizando nessa atroz tormenta
Vou prosseguindo na minha labuta:
“Só mesmo um bando de filhos-da-puta
Julga ser pátria o cárcere que inventa.”

Léo Frederico de Las Vegas

Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Visitantes

Free counters!

Outras Saudades...