gravatar

A REDENÇÃO DOS ARAÚJO



Ele esteve hoje aqui em casa.
No olhar cansado, a experiência dos anos.
Na voz enrouquecida,
A saudade das primaveras de antanho!
No jeito de conversar
A denúnia clarividente
De uma educação defeituosa,
Cerceada de afetos, de carinho
E ternura!

Por isso, o olhar distante,
Por isso o desconversar
Quando o assunto é a melhor forma
De educar nossos bigurrilhos.
Por isso, a secura dos olhos!

Vontade de ninar-lhe,
De beijar-lhe os olhos,
De afagar-lhe as mãos,
De dizer-lhe: eu sempre te amei
Ainda que não tenha aprendido
A demonstrar isso...

Talvez,
Talvez não haja mais tempo.

A cratera em minh'alma é gigantesca
E temo que esteja transferindo
Esse espólio de carência afetiva
A meus filhos...

Não!
Não quero repetir o erro...

Não quero falhar com meus filhos,
A(e)fetivamente,
Como falhou comigo o meu Pai,
E com o meu pai, o meu avô
E com este...

Quem falhou mesmo com meu avô??

Até onde eu sei
Meu avô se criou órfão dos pais,
Órfão de ternura,
Órfão de carinho!

E essa orfandade
Talvez tenha infundido sulcos
Irreparáveis de tristeza e solidão
Na combalida alma de meu avô!

Por isso a rispidez nos gestos soberbos
Por isso a angústia, a tristeza
De não poder demonstrar o amor...

Mas, ele, o meu pai,
Esteve hoje aqui em casa
E fez durinho com o meu filho
E passou a mão em seus cabelos
E brincou de pira-esconde
Com o meu filho,
O Marcus Vinícius,
Que nasceu pra ser
Enfim,
A redenção dos Araújo!

by Jaime Adilton Marques de Araújo

Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Visitantes

Free counters!

Outras Saudades...