gravatar

ALMA ATORMENTADA



Quando a alma se vê atormentada
Pelos grilhões corpóreos da existência
Em ânsia louca volve-se ao Nada
Perscrutando-lhe o cerne a essência!

Fica ciente então de sua preexistência
E do pecado que a tem aprisionada
E vem à Terra, esse vale de penitências
Expiar o crime que a tornou culpada!

E aqui chegando procura libertar-se
Através da prática incondicional do Bem
Da mancha do pecado. E nessa catarse

Vai prosseguindo ao êxtase do milagre! Mas
Se nessa faina deixar de lado um só alguém
Desmancha-se então inteiramente em lágrimas!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

ÚLTIMO SONETO

                                  A Mário Lago

Já não tenho mais a lepidez de outrora
Quando a primavera exalava seu frescor
E a brisa diuturnamente vida afora
Soprava aos meus ouvidos uma canção de amor!

A estação tenebrosa se aproxima
E um frio intenso me enregela os ossos.
Resoluto aceito enfim a minha sina…
Lutar contra ela sei mui bem não posso.

Então, angustiado, numa ânsia louca,
Sinto um líqüido me escorrer da boca
É o beijo último da Indesejada

Que me sorri da porta do meu quarto.
E, os passos tépidos, cambaleante eu parto
Para o leito sombrio da última morada!

Melgaço, 30 de maio de 2002.

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONHO



Sonhei um sonho acordado
Estava esse sonho emoldurado
Com o teu lindo rosto de maçã!
Mas o meu sonho foi quebrado
Meu coração esfacelado
Já não mais crê no amanhã.
Pra mim a vida cor-de-rosa,
Ela somente existia!
Coisas tristes? Nem pensar!
Mas a verdade dolorosa
Levou-me embora a alegria
Deixou este vazio no ar.

Cadê você meu sonho lindo?!
Não me torture tanto assim…
Veja que esse sofrimento
Quer me fazer querer o fim.
Mas eu sou forte, sou de ferro!
Hei de lutar até vencer…
Na vida acerto; às vezes erro…
E assim se faz o meu viver!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DAS LEMBRANÇAS INEFÁVEIS


O grandiosíssimo espetáculo do luar
Iluminando as noites intermináveis
Faz-me lembrar os instantes saudáveis
Da noite em que em tua boca eu fui beijar!

Relembro o doce momento salutar
Quando em meio a mil beijos memoráveis
Nós nos entregamos a prazeres inefáveis…
E completamente extático fico a imaginar

Na maravilha que foi o nosso amor;
Na intensa paixão que ardia em meu peito
Como se fora um vulcão abrasador.

Sei que jamais verei um outro amor perfeito
Pois os que existem não mais têm o sabor
Da doce paixão em cujas lembranças me deleito!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

UMA OUTRA CANÇÃO DA RIBEIRINHA



No mundo não conheço quem se compare a mim
Enquanto tudo isso estiver acontecendo comigo
Pois morro por ti; por ti enfrento qualquer perigo,
Oh, tu que és branca como a alva e tens o rosto carmesim!
Queres em teu louvor uma poesia minha
Na qual eu diga quando te vi sem calcinha?
Que dia! O sangue ainda me ferve nas veias
Pois que te vi linda, despudoradamente linda e não feia!

E, senhora do meu coração, desde aquele dia
A minha vida tem sido um constante sofrer
Pois não paro um só momento de pensar em você
Porque levas-te-me embora a vida e a alegria!
Pensas então que eu deva receber alguma recompensa
Por louvar-te em meus rudes versos, pensas?
Pois, querida minha, asseguro-te que teu escravo,
Ou ganha um beijo teu ardente ou não quer um mísero centavo!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO A DUAS MULHERES



Quando no céu aparecer a lua de Vinícius
Ao meu lado há de estar a Bem-Amada!
Hei de amá-la e esse amor não me trará suplícios
E adentraremos os portais da madrugada!

Por que o amor é mais doce a altas horas
Hei de amá-la sob o cúmplice luar…
Indescritíveis momentos vamos gozar
E a solidão pra bem longe mandar embora!…

Então vem logo, vem inundar a minha vida,
Meiga mulher e traz-me os teus loucos beijos
Que os meus lábios estão ardendo com fulgor!

Ó traz-me o teu corpo para o amor, mulher querida!
E teus olhos estrábicos que escondem mil desejos,
Para os meus beijos, ó deusa branca, visão sublime do amor!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

DÁDIVA



Te dou a lua amanhã
Meu doce pé de hortelã.
No mundo coisa não há gostosa
Mais que tua linda boca mimosa
Sabor de puríssima maçã…

Te dou o mar
De peixes constelado
E o céu
Com seu ventar
Rumorejante.
Te dou, amor,
O meu amor
Eternizado
A cada instante!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

IMPRESSÕES DO ANOITECER



Estrelas são pedras.

Lápides nossos rostos.

Tufão que varre
Nas torres es(x)táticas

Derrete gotas brilhantes
De água.

Porque não quero
Sorrir-lhes nos cântaros de prata,

Sob a lua ei-las as
Tendas do anil!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

LIRISMO À FLOR DA PELE




Estás presente
Na sensibilidade destes tristes versos
Que denotam o meu amor por você!
Estás presente
Durante as 24 horas do meu dia
Embriagando-me com o doce perfume
Que exala do teu corpo adolescido.
Estás presente
Para dizer que a vida é bela
E belos são os cantos dos pássaros!
Ah, és o pássaro indecifrável
Que um dia pousou
Na árvore de minha existência
E me fez reviver!
Estás presente
Neste sentimentalismo
Que inunda meu ser
Nas tumultuosas águas da paixão...
Estás presente em cada carícia
Desejada pelo corpo meu!
Estás presente e, no entanto, tão longe de mim!
Ah, me dói imensamente saber
Que em momentos como este de total entrega
Eu a tive em meus braços
Delirando de desejos...
Eu a tive em meus braços
E não sabia que a amava...
Agora sinto sua falta
Em cada gesto de carinho agradecido...
Eu a amo e por isso vou lutar contra essa tristeza
Que me dilacera o coração!
Embora tua indiscutível ausência
Estás presente
Para minimizar a minha solidão!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

ANTES QUE SEJA TARDE DEMAIS...

                    Ao vovô Ademar Alexandre de Araújo

Antes que seja tarde demais
Deixa-me afagar as tuas mãos!
Entre os meus dedos quero reter
Migalhas, ao menos, de tua vida…
Antes que seja tarde demais
Repousa ao som da minha canção!

Antes que seja tarde demais
Lembrar eu quero um canto teu antigo
Escondido no avesso de tua alma; uma
Xácara que dizia: “Minha mulata bonita / Quando me vê pra que corre? / Se é bonita me
Apareça. / Se é feia por que não morre?”.
Nossa! Como esse simples “por que não morre?”
Doía profundamente em eu ser poeta!
Resta-me antes que escureça e seja tarde demais
Eternizar-te em minha poesia!…

Deus te dê boa sorte, vovozinho querido!
E que Ele te acompanhe onde quer que for preciso…

Antes que seja tarde demais
Repousa tranqüilo e deixa que essa melodia
Alivie-te a dor que te vai na alma!
Únicos, que meus pobres versos sejam ungüento pras tuas dores;
Jamais serás esquecido, porque a canção se fez eterna!
Oh! Deixa-me, pois, dizer que eu te amo antes que seja tarde demais!…

Melgaço, 22 de maio de 2002.

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

SONETO AO NATALÍCIO DO POETA








33, Senhor, e não fiz nada!
Chego, enfim, à sacrossanta idade
Em que a Vida destes pela humanidade,
Mas tenho a minha sem brilho, emperrada

Pelos labores da existência – essa fada
Que distribui, aleatória, hilaridade,
Choro, sorriso, o Bem e a Maldade,
Sendo ela própria malquista ou Bem-Amada!

Perdão vos peço, Senhor, por essa vida
Que entre tantos desencantos se esvai
- Tênue luz de vela amarelecida!

Mas, se me derdes outros 33
Oh, que bênção seria, amoroso Pai,
E (quem sabe?) melhor faria dessa vez!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

MENSAGEM A ANA SÉLIS



Antes que a Primavera feneça
No Inverso das desilusões
Aniquilando toda a beleza

Singular dos corações
É preciso que a tua realeza
Lúcida, serena e repleta de paixões
Inesperadamente apareça
Saltitando de emoções!

Do Inverno à Primavera
Os dias são lindos, a vida é bela!

Seguindo com amor os meus conselhos
Onde quer que te encontrares
Certamente hás de ter espelhos
Onde o reflexo de teus meigos olhares,
Rosto delicado, tez sedutora,
Retina graciosa e encantadora…
Oh! Acompanhar-te-ão a toda hora!…

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

DEFINIÇÃO DE MARTA

Mulata
Amada
Romântica
Tirânica
Animal!


by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

MEU CÁRCERE E MEU QUINHÃO DE CADA DIA



Teu decote mexe com os meus brios
E a libido vem suave à flor da pele
Sussurrar blasfêmias e calafrios
Em gozo intenso e a volúpia me impele

A ver teus seios: náufragos pelos rios
À deriva de um olhar que escalpele,
Levando ao perau do encanto - navios
Em um fulvo rubor que os descabele!...

Teu pródigo decote é salvação
Para a minha notívaga poesia
E o descompasso do meu coração.

Mas de outra forma ser não poderia
Teu busto – meu paraíso e perdição –
Meu cárcere e quinhão de cada dia!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

CHEIRO DE SAUDADE


Há vestígios
De saudade
Pelo quarto

Algumas coisas
Conservam
O cheiro
Da tua
Ausência!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DA MULHER TENTAÇÃO!



Morena, em teus olhos há estranhos desejos,
Mistérios noturnos... Estrelas... Luar!...
Teu riso é espontâneo, qual onda do mar
E a boca é - qual fruta - madura de beijos!

Teu corpo moreno... (Meu Deus, quem virá
Livrar-me dessa ânsia em que ora me vejo?!)
Teu corpo... teus seios... oh, beijar num ensejo...
E na virgem floresta, enfim, te amar!

Minh'alma, morena, está doida, está louca
Pra matar-te os beijos que brotam da boca,
Sugar-te a vulva - entreaberto botão! -

Mordendo teus lábios, sentindo-te nua,
Meu corpo, em êxtase, nos ares flutua...
Morena Gostosa! Mulher Tentação!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

SAUDADES NO EXÍLIO



De você sinto saudades, minha querida terra…
E do teu lindo vergel, e das tuas belas morenas!
Os teus líricos jardins cheios de lindas açucenas
São a tropical beleza que a tua paisagem encerra!

No teu relevo esbelto há uma longínqua serra
Onde moram tão felizes as maviosas camenas
Que em teu louvor entoam suaves cantilenas
E o poeta embevecido os seus olhos descerra

Para em êxtase contemplar as tuas belas cascatas,
A amplidão do céu azul e o verde das matas
Que te coroam de esplendor e maravilhas mil…

Louvo-te assim, enclausurado neste exílio;
No peito a saudade do aconchego de teus filhos
E do teu cantor sabiá, ó meu querido Brasil!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

PRA NINGUÉM




Estou desesperado!
Não tenho com quem desabafar
Não tenho amigos, ninguém é por mim!
Deus, o Eterno, também tem me abandonado.
Mas, quem sou eu
Pra pedir tanto
Se o próprio Filho de Deus
Foi por Ele desprezado?

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

BELEZA INCÓGNITA




Com os olhos cerrados pela tua lembrança
E com o coração serrado de tristeza
Vou recriando na memória os tempos de criança
Em que te devotei o meu amor, meiga Beleza!

Da cidreira dos meus sonhos eras a cidra
Que me fazia suavemente adormecer
E me depunhas nas mãos uma taça de sidra
Que me aumentava o desejo de viver.

Passou o tempo. Um tanto insipiente
Tornei-me, pois me desencantei contigo.
Hoje ao buscar-te vi que sou incipiente

Já não sei quem és. Sou um ser lasso
Que precisa da vida desatar o laço
Para tornar-se, ó Beleza, teu grande amigo!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

MENINA, EU QUERO VOCÊ!




Menina, eu quero o mel da tua boca;
Eu quero o teu corpo todo só pra mim;
Eu quero de amor deixar-te louca;
Quero que sejas minha flor, lindo jasmim!

Menina a minha vida, ela é tão pouca…
Mas eu quero amar-te até da vida o fim.
Menina eu quero acariciar-te toda…
Para você eu quero entregar-me sim!

Ah! Nesta noite escura eu te espero…
Oh! Vem trazer-me teu carinho sensual…
Vem dar-me, pois, o teu amor sincero!

Pois neste quarto – oh! Solidão banal –
Ver o teu sob o meu corpo eu quero…
Sim, quero ter com você prazer total!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

MAMÃE QUERIDA



“A mão que embala o berço
É a mão que rege o mundo!”


Certo poeta compôs esses versos
Com um sentimento profundo.

Eu, porém, poeta menor,
Quero aqui parabenizar
Àquelas que com ternura e amor
Nossos sonos costumam velar.

Carlos Drummond de Andrade falou:
“Mãe é muito mais fácil de enganar.
(Razão eu sei, de mais aberto amor!)”


Sim! Temos contigo mãezinha querida
Mais liberdade para expressar
A gratidão por ter-nos infundido
Desde a Aurora da Vida
O sentimento de amor!

Mãezinha
Do coração
Quão sublime
É o teu sagrado nome
Venha sobre nós
O teu afeto
E que possamos retribuí-lo
Com a nossa obediência!
Que em todos os momentos
O carinho nosso de cada dia
Sempre nos seja dado
E perdoadas nos sejam sempre
As nossas estripulias…
Não nos deixe faltar
O teu amor
Mas cerca-nos
Com a tua ternura
Para que na maturidade
Possamos relembrar
A felicidade
Que em menininhos
Sentíamos ao pronunciar
O teu nome pequenino
Mãe!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

POEMA PARA A MINHA MÃE



Mãe,
Se poeta eu fosse
Traduziria em versos
Todo o carinho e amor
Que me dispensaste
Desde a mais tenra idade!

No entanto,
A letra fria é insuficiente
Para conter
Esses rabiscos de emoção!

As pérolas do mundo inteiro
Não se comparam
Ao teu valor, querida mamãe!

Os descaminhos de nossa existência terrena
Fizeram-me perceber
Que a vida é breve
E que devemos vivê-la intensamente
Em cada vão momento!…

Há uma palavra
Presa dentro em mim
Que temo em dizer-te
Pois talvez não saiba
Como expressá-la
Sem que me inundem os olhos
As lágrimas de minha infância perdida…

Mas
Antes que a “Indesejada de todas as gentes”
Desfaça-m(t)e os gestos do último adeus;
Antes que adentres na Grande Noite
E teus olhos se fechem para o último sono;
Sim, Antes que seja tarde demais (…)
Quero que ouças de meus lábios profanos:

Mamãe querida,
És minha vida
Eu te amo!

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

DEDICAÇÃO




Deus te proteja, mamãe,
E te guarde aonde quer que for
Dando-te muitos anos de vida
Inundando-te com o seu amor!
Certamente serás abençoada
Amparada pelos filhos teus…
Comungando conosco dedicação
Amor e carinho de coração
Orientas-nos, ó mãe, no caminho de Deus!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DO TRÁGICO DISSABOR








Ao vovô João do Nascimento Corrêa

Tua vida foi minha vida; tua morte, meu dissabor.
Do teu tristonho funeral eu não quero nem lembrar;
Naquele dia triste alguém veio em vão me consolar
Não imaginando como era tremenda a minha dor.

Seguia-se o féretro. Muitas pessoas a chorar
Lamentavam a tua morte com visível amargor.
Mas fui eu quem abatido contemplei o resplendor
Da ascensão de teu espírito, de tua alma singular!…

Tu eras mui carinhoso e humanamente mui terno;
Mas, cessaste o teu labor e cumpriste a tua missão...
E descansas agora, tranqüilo, no Silêncio Eterno!

Doravante, tua Saudade habita o meu coração
E minh'alma errante, a vagar, noite e dia devaneia
Como a te procurar, ó João do Nascimento Corrêa!

Melgaço, 07 de maio de 1995.

by Jaime Adilton Marques de Araújo
Leia Mais ››


gravatar

UM SITE PRA VOCÊ



hora marcada para o chat começar
ternuras plenas navegando em banda larga
trago na alma poemas-bipps para expressar
peremptório essa paixão que nunca tarda
//
words of passion
winds of tension
worlds of emotion

.
kd vc, delícia plena, mulher gostosa?
eu quero hoje encher-te de um tesão sem nexo
romper as barreiras do espaço/tempo tão complexo,
orgulhosamente te amar de forma harmoniosa.
.
vontade louca de, num virtual amplexo,
ostentar-te essa paixão tão maviosa,
coroar-te de dálias, de lírios e de rosas,
e, avidamente, sugar-te as pétalas do sexo.
.
por que te quero ver assim enlouquecida
rogando-me que te possua fêma-vulcão
a todo instante é que te dou a minha vida,
.
minh’alma, enfim; e nesse instante que é tão lindo
imerso subitamente em megabytes de emoção
meu pensamento descansa em ti pela força do gozo findo.

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

PENSANDO EM TI


Ontem, à noite, tive a maior das ereções
Quando, ao sugar um clitóris, pensei no teu
Grelinho de-li-ci-o-so, nas contrações
Que te deixam umedecida ao toque meu.

E assim fiquei preso aos laços do himeneu
Sentindo o gozo explodir aos borbotões,
Tendo em meus lábios grandes lábios que não os teus,
Mas com teu jeito, gosto, aroma e sensações!…

Depois, a fêmea enlouquecida que me amava
Co’ a presteza de uma pantera ensandecida
A sugar meu pênis, gostoso, começava...

Então curtimos esse instante que comove.
E, apaixonado, imaginei, Neide querida,
Sermos nós dois vivendo esse sessenta e nove!

by Daniel Jônatas M. de Queirós Mauá Jr.
Leia Mais ››


gravatar

VI A POESIA BRINCANDO EM TEU OLHAR



No espelho de teus olhos
Vejo uma estrela chorar
Lágrimas luarescidas
De uma poesia multicor
E nessas lágrimas caídas
Bebo o néctar de tua vida
E te traduzo AMOR!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

AS ARMADILHAS DA INTERNET (PARA CANTARES AO SOM DE 'SAMPA')



alguma coisa acontece em meu coração
que só quando teclo com a neide eu sinto um tesão
enorme que me envolve em êxtase e me pega de jeito
e eu fico pensando em quem pode estar aí do outro lado
que tem o poder de deixar-me assim fascinado
com os sentimentos confusos em meu peito
e na pele o fogo de uma paixão
alguma coisa acontece em meu coração
que só quando teclo com a neide eu sinto um tesão

quando eu te encarar frente a frente talvez não me gostes
nas peças que nos prega amor não há quem não aposte
quiçá neide me aches um belchior da vida
e a você eu talvez logo pense que não a mereça
eu um reles sapo você uma linda princesa
mas quem sabe a história se inverta querida
e o flecheiro cupido nos encha então de amor e sorte
quando eu te encarar frente a frente talvez não me gostes
nas peças que nos prega amor não há quem não aposte

de peito oprimido é que te faço neide estes versos
deixando minha alma exposta ao sol pelo avesso
talvez isso tudo não passe de mera ilusão
a net está cheia de truques perfídias maldades
quem vai saber quem é que usa de sinceridade
mas inda confuso aposto nessa nossa paixão
impossível e sincera que ainda está no começo
de peito oprimido é que te faço neide estes versos
deixando minha alma exposta ao sol pelo avesso

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

INFINITO QUERER



Quero-te dar um beijo
E matar o meu desejo
Envolver-te num abraço
Chegar bem perto de você
Falar-te do meu bem querer
E contigo caminhar no mesmo passo.

Quero dar-te o meu calor
100% do meu amor
Dividir meus sentimentos
Assentar-me junto a ti
E ficar então assim
Por muito, muito tempo.

Quero dar-me sem contar
O tempo; e driblar
Toda a superficialidade
Quero sonhar um sonho lindo
Libertar um sorriso infindo
Inspirar-te suavidade!

Quero olhar nos olhos teus
E transmitir o que os meus
Chamam de brilho de amor
Quero que sob o mesmo teto
Compartilhemos um só afeto
E comunguemos a mesma dor.

Quero rasgar o preconceito
Mas, se for o caso, apontar um defeito
E mostrar a solução.

Respeitar as tuas lágrimas
E ouvir as tuas estórias
Com a máxima atenção.

Quero enviar-te uma carta
E nela escrever assim: “Marta,
Te amo mais que tudo nesta vida;
Que tua felicidade seja completa
E que em rimas e versos eu poeta
Possa descrever-te, ó querida,
O quanto o meu amor é imenso
O quanto em você eu penso
Todas as horas do meu dia…
Tenho ainda muitas coisas pra falar,
Não obstante vou calar…
Fale mais alto e por si a poesia!"

Fiz o que o meu coração me diz:
Com você, Martinha, quero ser feliz!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


gravatar

SONETO DO TRABALHADOR



Salve, trabalhador gentil!
Que com suores e lágrimas
Constróis um novo Brasil!

Salve, trabalhador gentil!
Operário das fábricas
Do nosso imenso Brasil!

Salve, trabalhador de rua!
Que com o suor ganhas teu pão…
Repousa o pássaro da esperança tua
No futuro sublime da nossa Nação!

Salve o Dia do Trabalho!
Dia de luto, lutas e vitórias…
Última gota de orvalho
A anunciar o surgir da aurora!

by Léo Frederico de Las Vegas
Leia Mais ››


Apresentação

Cantinho da Saudade é o espaço virtual de compartilhamento de meus rabiscos de poesia produzidos desde 1994 até a atualidade, através dos quais canto a vida em suas múltiplas nuances! Os poemas que aqui vão são elaborados de acordo com as mais variadas regras e temáticas da arte poética clássica, moderna e contemporânea, consoante as múltiplas vozes de meus heterônimos!


Prefácio

Cantinho da Saudade é o meu blog
Onde quase sempre venho postar
Arrebóis, luas ternas, brisas do mar
E uma velha ternura de buldogue!

Mergulhe à vontade, mas não se afogue
Nas águas cristalinas desse mar...
Mas se razão faltar-lhe pra chorar,
É favor vir outro dia bem mais grogue,

Pois aqui encontrará um coração
Dilacerado sob o plenilúnio
De lembranças perenes de emoção

E saberá que da vida o infortúnio
É buscar, em vão, na velha madrugada,
O sorriso da Eterna Namorada!


Visitas de Calíope e Érato

Colaboradores

Tradução Simultânea

English French German Spain Italian
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic

Previsão do Tempo

Formas Poéticas

Acróstico (74) Aldravia (5) Balada (7) Caligrama (10) Dez-De-Queixo-Caído (2) Duotrix (8) Epigrama (5) Espinela (1) Ethree (1) Gazal (6) Haicai (48) Indriso (52) Limerik (3) Monóstico (1) Moteto (6) Plêiade (4) Poetrix (43) Quadra (29) Ritornelo (3) Rondel (58) Rondó (8) Roundel (1) Rubai (9) Sextina (1) Sonetilho (4) Soneto (410) Terza-Rima (1) Tradução (5) Triolé (11) Trova (11) Vilancete (4) Vilanela (2) Virelai (4)

Assunto Temático

Estatísticas...

Este blog possui atualmente:
Comentários em Postagens!

Horário de Brasília

Visitantes

Free counters!

Amigos On Line

Outras Saudades...